HOMENAGEM ÀS MÃES PELO SEU DIA



A bênção, mães!

Culta leitora, não menos ilustrado leitor, o calendário afetivo alerta que este domingo é o dia dedicado às mães. Por isso, esqueçamos, por algumas horas, dos desabamentos, das mazelas dos maus políticos, dos dramas que afligem pessoas no mundo inteiro e redobremos nossas orações por elas. Sem a mesma inspiração dos grandes mestres, a coluna pede a devida vênia para reverenciá-las com o poema do imortal Carlos Drummond de Andrade.

Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLUNA DE 27 DE MARÇO

COLUNA DE 21 DE ABRIL

COLUNA DE 20 DE MARÇO